21 setembro 2018 CHARGES

CLÁUDIO

A MÚSICA DAS GRANDES ORQUESTRAS

Paul Mauriat e sua orquestra

21 setembro 2018 CHARGES

AMARILDO

21 setembro 2018 DEU NO JORNAL

INFÂMIA E MENTIRA DA GRANDE MÍDIA DIREITISTA

A ditadura corrupta da Guiné Equatorial dos amigos de Lula, cujo herdeiro foi flagrado entrando no Brasil com um total de R$ 62,8 milhões em dinheiro e joias, é conhecida por só fazer negócios em dinheiro vivo, para driblar investigações.

Não usam cartões, nem transferências.

* * *

Este negócio de dizer que o governo da Guiné Equatorial é corrupto e dirigido por amigos de Lula é um infâmia sem tamanho.

Coisa da imprensa reacionária e golpista.

O fubânico petista Ceguinho Teimoso, que apoia Lula incondicionalmente e, consequentemente, apoia todos os regimes do mundo que Lula apoia – como Cuba, Guiné Equatorial, Venezuela e Coréia do Norte -, sabe muito bem disto: a grande mídia só sabe baixar o cacete no homem que criou mais de 1.313 escolas tecnas e tirou da miséria 313 milhões de pessoas.

Quero informar ao Exmo. Sr. Presidente da Guiné Equatorial, a mais perfeita democracia africana, que esta gazeta escrota está inteiramente à disposição.

Por apenas um mísero relógio cravejado de brilhantes, o Jornal da Besta Fubana passara a defender o injustiçado ex-presidente Lula, o dia todo e todos os dias.

Qualquer contato é só clicar na barra “Escreva para o JBF” aí no cabeçalho da página.

“Pode doá esse relojim de diamante pro JBF que é um jorná da cunfiança de nóis”

21 setembro 2018 CHARGES

VERONEZI

21 setembro 2018 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JONATHAN CRUZ – BELO HORIZONTE-MG

Grande editor!!!

Mostre para os amigos da nossa gazeta escrota este vídeo.

Foi feito no domingo passado, dia 16, no Estádio do Mineirão, aqui na nossa querida BH.

Jogo Cruzeiro x Atlético, empate de 0x0.

Saudações das alterosas!!!

R. Tô sentindo falta de vídeos sobre os demais pretendentes.

Informo, novamente, que este espaço democrático do JBF está aberto para todos os candidatos.

E vamos ao vídeo que nos mandou o leitor de Belo Horizonte:

21 setembro 2018 CHARGES

CHICO

21 setembro 2018 AUGUSTO NUNES

NEURÔNIO JUSTICEIRO

Dilma informa que confia na Justiça que vetou a candidatura do chefão à Presidência da República

“A decisão do TRE de Minas Gerais sobre a legalidade da minha candidatura faz justiça a mim. Sempre confiei na Justiça”.

Dilma, no Twitter, garantindo que confia na Justiça que vetou a candidatura de Lula.

21 setembro 2018 CHARGES

CLAYTON

21 setembro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

RECORDAR É SE RIR-SE

Esta matéria de que vou me ocupar agora saiu na Folha de S.Paulo do dia 11 de maio de 2001.

Já lá se vão mais de 17 anos…

O título era este:

PT lança campanha “Xô Corrupção”, criada por Duda Mendonça

A matéria começava assim:

“O diretório nacional do PT apresentou hoje à tarde, em São Paulo, a campanha “Xô Corrupção”, criada pelo publicitário Duda Mendonça. Mendonça, que por muitos anos foi o responsável pela propaganda política de Paulo Maluf (PPB), recebeu R$ 280 mil do PT para produzir os comerciais de TV e rádio, além de um material gráfico. Na campanha os políticos são associados a ratos e o PT, a ratoeira destinada a eliminá-los. O partido já vinha desenvolvendo a idéia de lançar os anúncios contra a corrupção e resolveu adiantar sua apresentação por causa do arquivamento da CPI da Corrupção.”

Num tá lindo?

Quem quiser ler a matéria na íntegra, clique aqui 

O tempo passa, o tempo voa, o tempo muda um bocado de coisas.

Depois de mensalão, petrolão, cadeia em Zé Dirceu, Odebrecht, prisão de tesoureiros, sítio, JBS, triplex, condenação em todas as instâncias, etc etc… o “” se transformou em “Chega mais“.

Vamos nos divertir revendo este vídeo de 2002, antes do atual prisioneiro por corrupção e lavagem de dinheiro botar a bunda na principal cadeira do Palácio do Planalto.

Um tempo em que Lula e o PT esculhambavam Sarney, Renan, Maluf, Collor, etc. etc. etc. (os leitores que tem boa memória completem esta lista, por favor)

21 setembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

A descarga leva a merda para um lugar incerto e não sabido; o voto também.

21 setembro 2018 PERCIVAL PUGGINA

QUE EDUCAÇÃO ESPERAR DE TAIS PROFESSORES?

Como sabem meus leitores habituais, é comum que eu escreva sobre o malfadado uso e abuso da Educação por militantes políticos. Em vista disso, formei uma coleção preciosa de depoimentos e testemunhos sobre o uso perverso da sala de aula em prejuízo do que é essencial à atividade docente. São alunos, pais de alunos e professores que me escrevem relatando a própria experiência. Um dia ainda vou publicar esse material.

Os humilhantes indicadores de qualidade do nosso ensino podem ser atribuídos a muitas causas, mas entre elas jamais estará a atuação de professores que se empenhem na aprendizagem. E sempre avultará entre as causas do fracasso a conduta daqueles que estão mais preocupados com o que denominam “construção da cidadania”. Dê uma pesquisada na rede sobre “pedagogia e cidadania” e você entenderá melhor o que estou afirmando.

Se quase todas as universidades federais do país promoveram, nos últimos meses, cursos de extensão sobre “o golpe” de 2016, valendo-se, para isso, do espaço público e de recursos públicos, como haveremos de nos surpreender quando o orçamento da União, a máquina estatal e os poderes de Estado forem desviados para fins análogos?

Bilhões produzidos pelas mãos operosas do povo brasileiro, dedicadas a agregar valor e a merecer o pão com o suor do rosto se convertem em tributo e são jogados fora sem que suscitem interjeições ou pontos de exclamação. Desde cedo, o brasileiro está sendo amestrado a conviver com isso. Dessa rotina, pedagogia e dialética nascem obras que começam e não terminam, asquerosas negociatas, milionárias campanhas eleitorais e doações a governantes igualmente inescrupulosos. Não, não cabem interjeições se essas permissões são ensinadas como atributos da cidadania e se suas principais manifestações, absolvidas dentro das salas de aula, são consagradas pelo mau exemplo de tantos professores militantes.

Dois episódios muito representativos do que descrevi aconteceram nesta última semana aqui no Rio Grande do Sul. Na UFRGS, o Diretório Central de Estudantes (DCE) montou um comitê para desenvolver a campanha eleitoral de Haddad e Manuela, a dupla de estepes do preso de Curitiba. Felizmente, quando tudo estava pronto para entrar em ruidosa e escandalosa operação, a Reitoria acordou e proibiu a iniciativa. Creiam: os alunos não aprenderam sozinhos a fazer esse tipo de coisa. O ato convocatório iniciava assim:

A juventude do Triplex que fará o Brasil feliz de novo vem convidar para o lançamento do Comitê Haddad e Manuela na UFRGS, evento organizado por estudantes da Universidade em apoio à candidatura de Fernando Haddad.

O Golpe segue em curso no nosso país. Nesta nova etapa, impediram Lula de ser candidato, mas nós seguiremos lutando. Agora Haddad é Lula e Lula é Haddad. Vamos firmes no 13!

Triplex! Compre-o quem quiser. Simultaneamente, o TRE-RS, proibiu o Sindicato dos Professores do Estado – CPERS Sindicato – de fazer propaganda contra a candidatura do governador nas dependências das escolas estaduais. O sindicato sempre achou que seus filiados eram donos das salas de aula e, portanto, das escolas. Num momento eleitoral, nada mais oportuno do que montar uma caravana custeada pelos colegas e sair por aí, em missão política a ser cumprida dentro das escolas.

Em outras palavras, o sindicato bebeu água na mesmíssima vertente de todos os abusos: um suposto direito democrático do uso privado dos espaços e meios públicos, justificado pela inefável nobreza da causa… E quem não concorda é “fascista”.

21 setembro 2018 CHARGES

IOTTI

21 setembro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

CONFIRMANDO O QUE JÁ SE SABIA

“Nós não somos centenas de milhares de antas lulaicas, somos dezenas de milhões de antas amestradas nos curvando ante Lula! E agora beijando o rabo de Hadddaaaadd!”

Colunista fubânico Goiano Braga Horta

21 setembro 2018 CHARGES

THIAGO LUCAS

AMOR NO TEMPO DO VELHO CHICO

Penedo cidade da pedra; penedo, rocha, rochedo. Penedo das ruas estreitas, dos casarões repletos de história. Penedo do Velho Chico, bela cidade para se viver um grande amor. Muitos amores aconteceram tendo o Rio São Francisco por testemunha, muitas histórias de amor se escondem nos seus belos casarões. Penedo, paixão, belas histórias de amor. Penedo de Mauro e Heloísa.

Mais de meio século nos separam daquele Penedo dos casarões, das famílias tradicionais. Heloísa nasceu no berço da aristocracia alagoana família secular, ainda menina chamava atenção pela beleza, pelo bom humor e inteligência. Além da Escola ela tinha aulas particulares de piano, tornou-se uma das maiores pianistas das Alagoas. Certa vez, Paschoal Carlos Magno ao ouvir Heloísa executando as Bachianas de Villa Lobo, implorou a seus para que a moça estudasse no conservatório de música na capital do país, o Rio de Janeiro. Ela não ligou a negativa do pai, Heloísa adorava sua cidade, Penedo.

Aos 16 anos encontrou um jovem falante que a sensibilizou numa festa de rua de natal, foi paixão simultânea. Acontece que o jovem Mauro, também de família tradicional, apenas com 18 anos já era um dos grandes boêmios da cidade, frequentador assíduo da zona do Camartelo, gostava do chamego com as mulheres dos cabarés. Certa noite foi recolhido à cadeia por arruaças numa boate. Vivia nos botequins e na boemia. Tinha a seu favor a simpatia e uma eloquência encantadora. Inteligente, bom aluno planejava fazer vestibular na Faculdade de Direito em Maceió. Assim como os polos antagônicos se atraem, Heloísa ficou atraída, encantada com o bonito rapaz. Os pais consentiram o namoro com muitas restrições. Formavam um belo casal. Viviam uma paixão de jovens românticos em passeios às margens do velho Chico.

Mauro fazia força para ficar sossegado, mas não resistia, à noite caía na gandaia. Na zona do Camartelo era conhecido por todas as raparigas. Certa vez virou a noite, o dia amanhecia quando ele e os amigos bêbados fizeram uma serenata no casarão da família de Heloísa. O pai pediu que ela acabasse aquele namoro, houve pressão. Ela deu mais uma chance para o namorado.

No início de fevereiro o pai de Mauro faleceu. Foi um enterro comovente, era muito querido na cidade. Quinze dias depois iniciava o animado carnaval de Penedo. Heloísa como não podia brincar devido ao falecimento do sogro, foi passar o carnaval na fazenda em Piranhas. Quando retornou na quarta-feira de cinzas, as amigas contaram tudo. Mauro não aguentou os acordes metálicos do frevo, caiu no passo durante os três dias de carnaval na rua e no clube. Heloísa no mesmo instante escreveu uma carta acabando o namoro e mandou entregar a carta a Mauro. Foi definitivo. A família de Heloísa não admitiu a falta de respeito de Mauro com o pai morto há pouco tempo e ele brincar o carnaval.

Cada qual para seu lado. Muitos anos se passaram, Heloísa casou-se com um primo em Penedo, continuou uma virtuosa pianista, quando enviuvou teve o consolo de seus 5 filhos e 8 netos. Mauro cursou a Faculdade de Direito, tornou-se um famoso advogado. Ainda hoje trabalha duro em seu escritório, também ficou viúvo com 5 filhos e 8 netos.

No início desse ano Mauro levou um amigo paulista, historiador, a Penedo. Visitou a Fundação Casa do Penedo, um museu vivo onde se respira história, sonho e invenção do Dr. Francisco Salles, um penedense amante da terra. Certa hora Mauro ouviu um piano belíssimo, ele comovido com a música ao longe perguntou de onde vinha. Alguém informou que era festa de aniversário de uma senhora muita querida, Dona Heloísa. Seu coração voltou à juventude. Pediu licença aos amigos, caminhou em direção à música suave do piano que envolvia a bela noite. Entrou no casarão como se fosse um convidado. Seu coração encheu-se de ternura ao ver Heloísa embevecida tocando seu velho piano. O tempo não foi cruel com ela, tornou-se uma linda senhora. De repente Heloísa olhou ao lado, seus olhos cruzaram com os de Mauro, reconheceu seu amor de sua juventude. Um sentimento forte tomou conta, uma alegria invadiu sua alma, inspirou-se, tocou como nunca havia tocado. Ao terminar a audição, feliz da vida foi cumprimentar seu amigo, seu amor de juventude.

Mauro e Heloísa conversaram bastante, almoçaram juntos no dia seguinte. Encontraram-se várias vezes em Maceió e Penedo. Precisou muita discussão, muita vontade e força para que vencessem a resistência dos filhos. Atualmente Mauro e Heloísa estão viajando pelo mundo. Desfrutando do grande amor, amor maduro. Venceram a resistência dos filhos e netos de ambos os lados, estão em plena lua-de-mel, às vezes recordando os velhos tempos e como era o amor no tempo do Velho Chico.

21 setembro 2018 CHARGES

JORGE BRAGA

21 setembro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

CENTENÁRIO DE JOFRE SOARES

Jofre Soares, um Alagoano de Palmeira dos Índios, foi um dos mais destacados e importantes atores brasileiros.

Ele nasceu no dia 21 de setembro de 1918.

Se vivo fosse, estaria completando hoje um século de existência.

Jofre encantou-se em agosto de 1996, com 77 anos de idade.

Um cabra que está fazendo uma falta enorme.

21 setembro 2018 CHARGES

PELICANO

MARQUESA

Era o final da década de 70. Zefa, 26 anos, saía todas as tardes para comprar o pão, na Padaria São Miguel. Numa certa quarta-feira, ao chegarmos do trabalho, não a encontramos em casa. Já eram quase 18 horas e a casa ainda estava às escuras. Também, não havia jantar pronto.

Ficamos apreensivos, quando vimos que o dinheiro do pão não estava em cima da geladeira. Estava claro que Zefa tinha saído para comprar o pão e que algo muito grave havia acontecido. O nosso primeiro pensamento foi de que a moça houvesse sido atropelada, na Avenida. Hermes da Fonseca, onde o trânsito, em Natal, é muito intenso.

Saímos à procura de Zefa, perguntando às empregadas domésticas da vizinhança, se a tinham visto naquela tarde, indo à padaria. Mas ninguém a tinha visto sair de casa. Os empregados da padaria também não a tinham visto. Percorremos todas as ruas próximas à nossa casa, no bairro do Tirol, indagando das pessoas, aqui e ali, se tinham notícia de algum atropelamento, ali por perto, naquela tarde. Todas as respostas foram negativas.

Telefonamos para o Pronto-Socorro mais próximo, mas não constava a entrada de ninguém com o nome de Josefa Maria da Silva, nas ocorrências daquela tarde. Telefonamos para outros hospitais e recebemos a mesma resposta. Até para o IML, nós ligamos, e, para nosso alívio, o nome de Josefa Maria da Silva não constava na relação de cadáveres que tinham dado entrada, no referido órgão, naquela tarde/noite.

No dia seguinte, fomos registrar esse desaparecimento na Delegacia de Polícia Civil.

Zefa era do interior e não tinha parentes em Natal. Trabalhava na nossa casa, há mais de um ano, e o seu endereço era o nosso: Rua Ângelo Varela – 1007, Tirol. Não sabíamos detalhes da sua vida, pois era muito calada e se limitava a fazer suas tarefas domésticas com perfeição. Sua folga dominical, passava na casa de uma amiga chamada Rosilda, cujo endereço nós nunca soubemos.

O fato é que o sumiço de Zefa nos causou um transtorno muito grande.

No sábado, três dias depois do seu desaparecimento, Zefa, por volta das 14 horas, abriu o portão do quintal da nossa casa e entrou, calmamente, dirigindo-se para o seu quarto e fechando a porta.

Mesmo aliviada por ela estar viva, senti uma certa indignação, pelo fato dela ter ficado três dias sem nos dar notícia. Como se fazia antigamente, em Nova-Cruz (RN), tomei uma garapa para me acalmar e fui conversar com Zefa, para saber o que tinha acontecido.

Quando lhe perguntei o motivo do seu inesperado desaparecimento, imediatamente, ela começou a chorar e falou:

– Meu pai está no hospital, operado, muito doente, e eu estava sendo acompanhante dele.

Muito irritada, eu respondi:

-Ainda que ele tivesse morrido, você devia ter mandado me avisar. Você não sabe a aflição que nós passamos com isso. Telefonamos para todos os hospitais e até para o IML, pensando que você houvesse morrido atropelada!!! Fomos à Polícia e comunicamos o seu desaparecimento! Amanhã, seu nome vai ser publicado no jornal “O POTI”, como pessoa desaparecida.

E continuei, irritada:

-Seu pai foi operado de que? Em que hospital está?

Em cima da bucha, Zefa respondeu, sempre chorando:

-Pai se operou de ovário (Isso mesmo, OVÁRIO!!!). Está internado no Hospital das Clínicas, na enfermaria 12, leito 3, pelo FUNRURAL. O nome dele é José Bento da Silva. A senhora pode ir lá, pra ver se não é verdade!!!

É lógico que o pai de Zefa não podia ter sido operado dos ovários. Atribuí o equívoco à sua ignorância. Na certa, o homem havia se operado da próstata.

Peguei a chave do fusca e, sem dizer nada, fui ao Hospital das Clínicas. Constatei as seguintes mentiras:

-Não havia nenhum paciente internado, com o nome de José Bento da Silva;

-Naquele hospital, não havia enfermaria 12, leito 3, no segundo andar;

-Os pacientes do FUNRURAL não tinham direito a acompanhantes.

Voltei para casa, vermelha de raiva e fui novamente conversar com Zefa:

-Como você mente mal, Zefa! Estou voltando do Hospital das Clinicas agora. Seu pai nunca esteve lá, pois o nome dele não consta na relação das pessoas ali internadas. Também não existe enfermaria 12, leito 3, no segundo andar. Mesmo que fosse verdade, os pacientes do FUNRURAL não tem direito a acompanhantes. E você ainda levantou um falso ao seu pai, dizendo que ele se operou de ovário.Quem tem ovário é mulher, Zefa!!!

A “moça” prendeu o choro e confessou:

– “Apois”, vou contar a verdade: Quarta-feira de tarde, eu tive que fazer uma “coretage” (curetagem). Tinha tomado uma garrafada pra abortar e depois que a senhora e seu marido saíram pra trabalhar, senti uma dor muito grande no pé da barriga. De repente, comecei a ter uma “morragia” (hemorragia), que não parava. Com medo de morrer, peguei um táxi na pista e corri pra Maternidade. Só tive alta hoje… A senhora me desculpe! Eu tive vergonha de lhe dizer que estava “buchuda”.

Sem acreditar mais em nenhuma palavra de Zefa, peguei o fusca, novamente, e fui à “Maternidade Escola Januário Cicco”, para conferir se ela continuava mentindo.

Para minha surpresa, dessa vez, ela havia dito a verdade. Seu nome e o nosso endereço estavam registrados na lista de pacientes, atendidas gratuitamente,. na tarde da última quarta-feira. Também estava registrado o procedimento cirúrgico ao qual Zefa fora submetida, em consequência do aborto sofrido. A curetagem, realmente, tinha acontecido, e Zefa não morreu por um triz, pois perdeu muito sangue.

Voltei para casa mais calma e muito triste. Fui ao quarto de Zefa e lhe contei que tinha ido à Maternidade, conferir se o que ela tinha dito, dessa vez, era verdade. De fato, agora estava tudo esclarecido. Reclamei por ela não haver confiado em mim, pois, talvez, nada disso tivesse acontecido. Também, alertei-a para o risco de morte pelo qual ela havia passado, ao provocar um aborto, que poderia ter tirado, ao mesmo tempo, duas vidas. Ela chorou muito e eu confesso que fiquei muito penalizada com o ocorrido. Vi até que ponto vai a miséria humana.

Enquanto isso, ali perto, cheia de ternura, estava Marquesa, a minha gata angorá, alimentando seus filhotes. É impressionante, como os animais amam e defendem suas crias.

21 setembro 2018 CHARGES

CLÁUDIO

ZECA PAGODINHO

A música de Candeia “Preciso me encontrar” na interpretação de Zeca Pagodinho, Marisa Monte, Yamandú Costa e Hamilton de Holanda em 2013.

20 setembro 2018 CHARGES

ARIONAURO

20 setembro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

VOU ESTUDAR COSMOLOGIA

Este fato se assucedeu-se no começo deste mês de setembro.

Eu estava fazendo o meu checape anual e fui ao consultório da minha nutricionista.

Chegando lá me deparei com esta placa, numa sala vizinha:

De acordo com a Wikipédia, a definição de Cosmo é esta:

Cosmo ou cosmos (do grego antigo κόσμος, transl. kósmos, “ordem”, “organização”,”beleza”,”harmonia”) é um termo que designa o universo em seu conjunto, toda a estrutura universal em sua totalidade, desde o microcosmo ao macrocosmo. O cosmo é a totalidade de todas as coisas deste Universo ordenado, desde as estrelas, até as partículas subatômicas. Pode ser estudado na Cosmologia.

Com o desmantelo que está instalado nesta nossa Banãnia, acho que vou estudar Cosmologia pra ver se consigo entender algumas coisas que não entram de modo algum na minha cabeça.

Não entram na minha cabeça nem a pau, Juvenal!!!

A primeira pesquisa que farei no estudo da Cosmologia será investigar como é que pode existir um animal, chamado de racional, um bípede – que é parido atravessando a porteira do mundo, a tabaca da mãe -, e que acha que Lula fala a verdade!!!

E não apenas acredita que Lula fala a verdade como, mais ainda, vota nele e vote em quem ele manda votar.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Torço pra que o estudo da Cosmologia me ajude a entender o fato de ser obrigado a respirar o mesmo ar que é respirado por centenas de milhares de antas lulaicas que poluem o solo de uma parte do Cosmo chamada República Federativa de Banânia.

Darei notícias a vocês assim que terminar minhas pesquisas.


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa